Follow by Email

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

CONCLUSÃO - I

CONCLUSÃO – I


Eu não tenho nome.
Me perco na noite escura, eu sou um grito
Que ecoa no silêncio,
Miragem,
Bobagem,
Palavras que não têm sentido,
Uma coisa qualquer, sem aparência.
Um sonho indefinido,
Fagulha apagada,
Indiferença.
Uma núvem densa
De palavras paira no meu céu,
Como centelhas
Luminosas.
Delas não preciso,
Não tenho mais nada.
Apenas o final da estrada.
Assopro então, e a núvem
Se espalha,
Como um enxame de abelhas
Venenosas.
Eu não as desejo mais.
Por que me perseguem?
Nunca soube usá-las como convém.
Não sou poeta coisa alguma.
Em suma,
Aqui comigo:
Talvez seja o castigo
De alguém
Acabado,
De um sonho irrealizado.

(Ivo Stainiclerks)

AOS SEGUIDORES DO MEU BLOG

Comunico que estou encerrando as postagens a respeito de informações sobre o desenvolvimento de Romances. Pois, estão me tornando um tanto cansativas, e tenho a sensação de que podem não ser tão produtivas o quanto eu esperava. Portanto altero o Título do Blog para: SUSSURROS DO CORAÇÃO, e de agora em diante estarei postando as poesias por mim escritas, para vossa  leitura e apreciação. Conto com a compreensão de todos, e espero que continuem a me prestigiar com as suas visitas, pois preciso do apoio de vocês em toda a minha jornada literária. Abraços.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Seguidores:

Amigos;
Não sei o que acontece com o meu Blog,
pois não estão aparecendo todos os meus seguidores
na página. E até agora não consegui resolver este problema.
Espero a compreensão de vocês.
Abraços.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

VOCÊ TEM UM PROJETO?

 


Para construir, ou se criar alguma coisa é necessário que seja antes projetada. De início, tudo o que é concebido, seja a criação de uma nova estrutura, um aparelho, ou a edificação de uma casa, aparece através de imagens em nossa mente. Em seguida passamos ao esboço da mesma, isto é, colocar tais imagens no papel, para que possamos melhor visualizá-las, procedendo as suas devidas correções e aperfeiçoamentos. Isto não quer dizer que para a criação de um livro tenha que ser diferente. O processo é o mesmo, desde a concepção inicial da história, usando-se os mesmos procedimentos da construção de um edifício ou o traçado de uma nova rodovia: O esboço.
O esboço é um desenho rústico do que se vai projetar. Os primeiros traços do que se deseja criar. É com isto que as ideias vão se aperfeiçoando, e o projeto vai criando vida e tomando forma. Aos poucos, de maneira espetacular a história se desenvolve, os personagens saltam, de repente, às diversas ações a que são predestinados, e as inúmeras cenas são engendradas à trama, como a aranha tece vagarosamente a sua teia. Eu não acredito que um romance que se preze possa ser escrito sem um rigoroso planejamento.
Você pode dizer: Eu não perco tempo com isto, e escrever de acordo com as ideias que lhe vão surgindo na cabeça. Porém, no meu entender, tal procedimento se torna muito mais trabalhoso do que seguir um roteiro previamente traçado. Pois, no caso de qualquer modificação na trama, ou outra que seja, devemos ter um perfeito senso de orientação no tocante aos diversos pontos atingidos no transcorrer da história. Ao passo que no esboço tudo se torna mais simples, devido o mesmo ser resumido, e conter uma delineação geral de todos os capítulos e as respectivas cenas do início ao fim da narrativa. O esboço por si só já deve ser suceptivel às alterações, e serem escritos no caso, para o mesmo livro, quantos se fizerem necessários.
Como os traços iniciais de uma pintura ou desenho, o esboço de um livro equivale ao caminho a ser seguido na longa e árdua tarefa de contar com perfeição uma história. E é o que nos dá a garantia de que tal trabalho será bem executado, pois todo o projeto feito com dedicação e carinho resulta numa obra de qualidade e boa aceitação.



segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

CONHECE ALGUÉM DA LISTA?

Com certeza, se almejamos ver o nosso nome na lista de best sellers da categoria, devemos ter conhecimento de alguns autores que figuram na mesma. No canto superior direito do Blog, para visualização da VEJA. Pode confirmar que são livros os quais até já tenha lido, embora não sabendo definir o que os tenha distinguido assim dos demais. A capa? O título? O número de páginas? A linguagem? A trama? O envolvimento, ou seja, a atuação de cada personagem na história? O cenário? A forma em que o autor escolheu para narrá-la?
Os catedráticos, ou doutores na matéria, que me perdoem, e não imputem a minha ignorância, pois, às vezes não me ocorrem sequer os termos adequados ao que pretendo expressar aqui. Todavia, como eu já disse anteriormente, não tenho a mínima pretensão de ensinar, mas de aprender. Por isso estejam à vontade para me corrigirem naquilo que porventura houver alguma falha. Para mim é um tanto mais honroso se admoestado por um sábio, do que permanecer na ignorância. Porém, enfatizo que para ser um bom contador de histórias não é necessário às vezes um curso superior ou uma formação acadêmica. O exímio contador de histórias possui todas as manhas necessárias a fim de cativar o ouvinte, ou que seja o leitor. E é isto que faz com que o seu livro seja lido. O que quer dizer que não é apenas um componente em separado que influi, mas o conjunto de todas as características em perfeita harmonia e funcionamento.
Contudo, nem todos são dotados de tais qualidades. Ninguém seria capaz de montar um relógio, ou consertar um carro, sem o prévio conhecimento de como funciona, e para que serve cada uma das peças que o formam. Assim, para a criação de qualquer romance que consiga comover os corações de milhões de leitores no mundo inteiro, é necessário ter o conhecimento da influência exercida por cada peça do mesmo na alma do ser humano. É possível, com o nosso esforço e persistência, aprendermos de que forma espetacular pode ser construído um maravilhoso romance, com todas as peças necessárias interligadas umas às outras como numa perfeita máquina em funcionamento. Nos romances mais procurados e lidos, tais partes são projetadas de uma maneira que por um lado parece singular, mas por outro controlado e orientado por algumas regras. O livro deve ser trabalhado. Uma obra perfeita nunca nasce do nada. Deus trabalhou seis dias na criação do mundo. Portanto, desde a concepção inicial de uma história, passando pela construção e reconstrução de roteiros da trama, desenvolvimento de personagens e intensificação de seus relacionamentos, reconstituição de cenas no primeiro esboço, e finalmente o esforço de enriquecer, reescrever e polir o original, antes da entrega às editoras, deve ser um trabalho estafante, mas que no final nos dará a alegria de uma compensadora vitória.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

COMO ESCREVER UM BEST SELLER?: VOCÊ GOSTA DE ESCREVER?

COMO ESCREVER UM BEST SELLER?: VOCÊ GOSTA DE ESCREVER?: Você Gosta de Escrever? Talento é exercer uma certa atividade com naturalidade e perfeição. Possuir aptidão para se fazer algo. É o ...

VOCÊ GOSTA DE ESCREVER?

Você Gosta de Escrever?


Talento é exercer uma certa atividade com naturalidade e perfeição. Possuir aptidão para se fazer algo. É o mesmo que ter o dom, ou ser prendado na execução de algum trabalho ou tarefa. Indivíduos nunca nascem com determinados dons para isto ou aquilo. Pode ser que tragam em suas personalidades alguma tendência, ou vocação para algum tipo de expressão diante dos seus semelhantes, seja nas Artes, na Política, ou até mesmo na área comercial. A não ser que aconteça um milagre, uma criança jamais tem a capacidade de nascer andando, ou pronunciando corretamente as palavras. Talvez sim, com um intelecto mais desenvolvido, aprendendo com maior facilidade, ou com a personalidade que se incline com certa ênfase para esta ou aquela atividade, tendo maior prazer nela do que nas demais.
Gostar de uma função é o mesmo que se dedicar à descoberta dos seus segredos, ou seja o porque da mesma e quais os seus objetivos e fins na satisfação primordial dos anseios do ser humano. Você escreve somente porque gosta? Em primeiro lugar sim, mas o principal objetivo é a realização dos desejos da pessoa para a qual escrevemos. Isto é, as nossas ideias, pensamentos e colocações devem, além de nós, agradar principalmente aos nossos leitores. Por isso é muito raro acontecer o milagre do primeiro livro escrito conquistar o topo das listas de best sellers. Além disso, vender um livro não é como vender um objeto qualquer, que satisfaça em primeira mão as necessidades físicas de uma pessoa. O livro, principalmente no nosso caso, o romance, tende a satisfazer em maior grau as necessidades da alma. Pois, o indivíduo que o lê almeja em si um pouco de liberdade para o espírito, nem que seja por algumas horas se ver livre da realidade fustigante desta vida. Esquecendo-se momentaneamente das aflições e angústias que o cercam e o apavoram. É por isso que deve haver sempre alguma identificação entre a sua obra e o leitor que a aprecia.
O verdadeiro escritor talentoso, é o que gosta realmente de escrever, pois, no tocante a vender a sua obra, ou seja, fazer com que chegue às mãos do leitor, é uma prova de muita paciência, esforço e determinação. Em especial aos escritores principiantes, além das inúmeras dificuldades em concluir uma história mais ou menos apreciável, o que mais os decepciona é se depararem com a visível indiferença das editoras. Com respeito às suas humildes pretensões, o pobre autor desconhecido nunca chega sequer a ter o seu livro examinado, e quando por acaso isto acontece, nenhuma satisfação recebe, sequer uma resposta às suas inumeráveis tentativas de ver o seu trabalho aceito. O problema é realmente angustiante. Só quem já passou pelo incontável número de rejeições, e pelo descaso de um tratamento igual, é que reconhece quão grande é a dedicação do autor que deseja um dia ter a sua obra lida por centenas, ou milhares de pessoas.
Reconhecemos também que as editoras têm os seus embaraços quanto a edição de um livro. Pois, além de arcarem com todas as despesas de material e mão de obra, são responsáveis ainda pela divulgação, e maiormente sujeitam-se ao risco da não aceitação da obra pelo público. A principal intenção delas é a obtenção de lucros, pois, são empresas que visam em primeiro lugar o bem estar de seus proprietários ou associados. Neste caso tendo que agir com muita cautela a fim de não se prejudicarem com qualquer trabalho mal sucedido. Por isso a prioridade dispensada aos autores já com algum nome em destaque, deixando de lado aqueles que nunca obtiveram tal privilégio.
Portanto, o nosso maior talento e dom é o gosto pela escrita. Pois, assim nunca desistimos. E, pode ter a certeza, que os grandes escritores e nomes consagrados na Literatura passaram por este mesmo processo, ou até por maiores humilhações. E, se conseguirmos entender que é assim que funciona, e é este o caminho, mesmo árduo e cheio de obstáculos, teremos mais forças para prosseguir na luta, de cabeça erguida e de olhos abertos para um futuro real e proimissor.