Follow by Email

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

VOCÊ TEM UM PROJETO?

 


Para construir, ou se criar alguma coisa é necessário que seja antes projetada. De início, tudo o que é concebido, seja a criação de uma nova estrutura, um aparelho, ou a edificação de uma casa, aparece através de imagens em nossa mente. Em seguida passamos ao esboço da mesma, isto é, colocar tais imagens no papel, para que possamos melhor visualizá-las, procedendo as suas devidas correções e aperfeiçoamentos. Isto não quer dizer que para a criação de um livro tenha que ser diferente. O processo é o mesmo, desde a concepção inicial da história, usando-se os mesmos procedimentos da construção de um edifício ou o traçado de uma nova rodovia: O esboço.
O esboço é um desenho rústico do que se vai projetar. Os primeiros traços do que se deseja criar. É com isto que as ideias vão se aperfeiçoando, e o projeto vai criando vida e tomando forma. Aos poucos, de maneira espetacular a história se desenvolve, os personagens saltam, de repente, às diversas ações a que são predestinados, e as inúmeras cenas são engendradas à trama, como a aranha tece vagarosamente a sua teia. Eu não acredito que um romance que se preze possa ser escrito sem um rigoroso planejamento.
Você pode dizer: Eu não perco tempo com isto, e escrever de acordo com as ideias que lhe vão surgindo na cabeça. Porém, no meu entender, tal procedimento se torna muito mais trabalhoso do que seguir um roteiro previamente traçado. Pois, no caso de qualquer modificação na trama, ou outra que seja, devemos ter um perfeito senso de orientação no tocante aos diversos pontos atingidos no transcorrer da história. Ao passo que no esboço tudo se torna mais simples, devido o mesmo ser resumido, e conter uma delineação geral de todos os capítulos e as respectivas cenas do início ao fim da narrativa. O esboço por si só já deve ser suceptivel às alterações, e serem escritos no caso, para o mesmo livro, quantos se fizerem necessários.
Como os traços iniciais de uma pintura ou desenho, o esboço de um livro equivale ao caminho a ser seguido na longa e árdua tarefa de contar com perfeição uma história. E é o que nos dá a garantia de que tal trabalho será bem executado, pois todo o projeto feito com dedicação e carinho resulta numa obra de qualidade e boa aceitação.



segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

CONHECE ALGUÉM DA LISTA?

Com certeza, se almejamos ver o nosso nome na lista de best sellers da categoria, devemos ter conhecimento de alguns autores que figuram na mesma. No canto superior direito do Blog, para visualização da VEJA. Pode confirmar que são livros os quais até já tenha lido, embora não sabendo definir o que os tenha distinguido assim dos demais. A capa? O título? O número de páginas? A linguagem? A trama? O envolvimento, ou seja, a atuação de cada personagem na história? O cenário? A forma em que o autor escolheu para narrá-la?
Os catedráticos, ou doutores na matéria, que me perdoem, e não imputem a minha ignorância, pois, às vezes não me ocorrem sequer os termos adequados ao que pretendo expressar aqui. Todavia, como eu já disse anteriormente, não tenho a mínima pretensão de ensinar, mas de aprender. Por isso estejam à vontade para me corrigirem naquilo que porventura houver alguma falha. Para mim é um tanto mais honroso se admoestado por um sábio, do que permanecer na ignorância. Porém, enfatizo que para ser um bom contador de histórias não é necessário às vezes um curso superior ou uma formação acadêmica. O exímio contador de histórias possui todas as manhas necessárias a fim de cativar o ouvinte, ou que seja o leitor. E é isto que faz com que o seu livro seja lido. O que quer dizer que não é apenas um componente em separado que influi, mas o conjunto de todas as características em perfeita harmonia e funcionamento.
Contudo, nem todos são dotados de tais qualidades. Ninguém seria capaz de montar um relógio, ou consertar um carro, sem o prévio conhecimento de como funciona, e para que serve cada uma das peças que o formam. Assim, para a criação de qualquer romance que consiga comover os corações de milhões de leitores no mundo inteiro, é necessário ter o conhecimento da influência exercida por cada peça do mesmo na alma do ser humano. É possível, com o nosso esforço e persistência, aprendermos de que forma espetacular pode ser construído um maravilhoso romance, com todas as peças necessárias interligadas umas às outras como numa perfeita máquina em funcionamento. Nos romances mais procurados e lidos, tais partes são projetadas de uma maneira que por um lado parece singular, mas por outro controlado e orientado por algumas regras. O livro deve ser trabalhado. Uma obra perfeita nunca nasce do nada. Deus trabalhou seis dias na criação do mundo. Portanto, desde a concepção inicial de uma história, passando pela construção e reconstrução de roteiros da trama, desenvolvimento de personagens e intensificação de seus relacionamentos, reconstituição de cenas no primeiro esboço, e finalmente o esforço de enriquecer, reescrever e polir o original, antes da entrega às editoras, deve ser um trabalho estafante, mas que no final nos dará a alegria de uma compensadora vitória.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

COMO ESCREVER UM BEST SELLER?: VOCÊ GOSTA DE ESCREVER?

COMO ESCREVER UM BEST SELLER?: VOCÊ GOSTA DE ESCREVER?: Você Gosta de Escrever? Talento é exercer uma certa atividade com naturalidade e perfeição. Possuir aptidão para se fazer algo. É o ...

VOCÊ GOSTA DE ESCREVER?

Você Gosta de Escrever?


Talento é exercer uma certa atividade com naturalidade e perfeição. Possuir aptidão para se fazer algo. É o mesmo que ter o dom, ou ser prendado na execução de algum trabalho ou tarefa. Indivíduos nunca nascem com determinados dons para isto ou aquilo. Pode ser que tragam em suas personalidades alguma tendência, ou vocação para algum tipo de expressão diante dos seus semelhantes, seja nas Artes, na Política, ou até mesmo na área comercial. A não ser que aconteça um milagre, uma criança jamais tem a capacidade de nascer andando, ou pronunciando corretamente as palavras. Talvez sim, com um intelecto mais desenvolvido, aprendendo com maior facilidade, ou com a personalidade que se incline com certa ênfase para esta ou aquela atividade, tendo maior prazer nela do que nas demais.
Gostar de uma função é o mesmo que se dedicar à descoberta dos seus segredos, ou seja o porque da mesma e quais os seus objetivos e fins na satisfação primordial dos anseios do ser humano. Você escreve somente porque gosta? Em primeiro lugar sim, mas o principal objetivo é a realização dos desejos da pessoa para a qual escrevemos. Isto é, as nossas ideias, pensamentos e colocações devem, além de nós, agradar principalmente aos nossos leitores. Por isso é muito raro acontecer o milagre do primeiro livro escrito conquistar o topo das listas de best sellers. Além disso, vender um livro não é como vender um objeto qualquer, que satisfaça em primeira mão as necessidades físicas de uma pessoa. O livro, principalmente no nosso caso, o romance, tende a satisfazer em maior grau as necessidades da alma. Pois, o indivíduo que o lê almeja em si um pouco de liberdade para o espírito, nem que seja por algumas horas se ver livre da realidade fustigante desta vida. Esquecendo-se momentaneamente das aflições e angústias que o cercam e o apavoram. É por isso que deve haver sempre alguma identificação entre a sua obra e o leitor que a aprecia.
O verdadeiro escritor talentoso, é o que gosta realmente de escrever, pois, no tocante a vender a sua obra, ou seja, fazer com que chegue às mãos do leitor, é uma prova de muita paciência, esforço e determinação. Em especial aos escritores principiantes, além das inúmeras dificuldades em concluir uma história mais ou menos apreciável, o que mais os decepciona é se depararem com a visível indiferença das editoras. Com respeito às suas humildes pretensões, o pobre autor desconhecido nunca chega sequer a ter o seu livro examinado, e quando por acaso isto acontece, nenhuma satisfação recebe, sequer uma resposta às suas inumeráveis tentativas de ver o seu trabalho aceito. O problema é realmente angustiante. Só quem já passou pelo incontável número de rejeições, e pelo descaso de um tratamento igual, é que reconhece quão grande é a dedicação do autor que deseja um dia ter a sua obra lida por centenas, ou milhares de pessoas.
Reconhecemos também que as editoras têm os seus embaraços quanto a edição de um livro. Pois, além de arcarem com todas as despesas de material e mão de obra, são responsáveis ainda pela divulgação, e maiormente sujeitam-se ao risco da não aceitação da obra pelo público. A principal intenção delas é a obtenção de lucros, pois, são empresas que visam em primeiro lugar o bem estar de seus proprietários ou associados. Neste caso tendo que agir com muita cautela a fim de não se prejudicarem com qualquer trabalho mal sucedido. Por isso a prioridade dispensada aos autores já com algum nome em destaque, deixando de lado aqueles que nunca obtiveram tal privilégio.
Portanto, o nosso maior talento e dom é o gosto pela escrita. Pois, assim nunca desistimos. E, pode ter a certeza, que os grandes escritores e nomes consagrados na Literatura passaram por este mesmo processo, ou até por maiores humilhações. E, se conseguirmos entender que é assim que funciona, e é este o caminho, mesmo árduo e cheio de obstáculos, teremos mais forças para prosseguir na luta, de cabeça erguida e de olhos abertos para um futuro real e proimissor.



segunda-feira, 28 de novembro de 2011

QUEM JÁ ESCREVEU UM BOM ROMANCE?

Quem já escreveu um bom romance?


Talvez a maioria de nós já domina razoavelmente a técnica da ficção. Alguém até imagina que o seu livro seja bom, e se enaltece com alguns poucos elogios de amigos ou parentes. Porém, mesmo que o livro seja realmente bom, geralmente falta alguma coisa, a qual passou despercebida para nós, e com certeza, irá impedi-lo de subir. Por exemplo, talvez o livro precise de um personagem com o qual os leitores prontamente se identifiquem. Ou a história transcorra num ambiente que as pessoas gostariam de conhecer, em vez de uma tenebrosa favela do Rio de Janeiro, ou um bairro pobre de Nova Iorque. Ou, quem sabe necessite o livro de uma grande questão dramática, que prenda o leitor do princípio ao fim. Assim, coisas que podem parecer insignificantes, são às vezes de grande valor para a qualidade daquilo que apresentamos ao nosso leitor.
Você é um contador de histórias que já teve um romance publicado? Se já teve, e acredita ter dominado com habilidade os elementos essenciais na arte de escrever romances, leve em consideração que em todos os setores artísticos os pequenos detalhes é que influenciam no resultado final. Quem sabe o seu trabalho tenha sido até elogiado, ou mesmo ganhado algum prêmio, todavia você não consegue ainda viver do mesmo, ou confesse que os rendimentos daí provindos não são totalmente satisfatórios aos seus anseios.
Então precisamos melhorar. Não estou aqui para ensinar ninguém. Longe de mim tal pretensão. Mas, se tem algum valor o que digo, e se alguém ler com proveito, tenho grande satisfação com isto. Embora, o que escrevo aqui seja mais para o meu aprendizado do que qualquer outro. É aconselhável também que demos uma olhada nas listas de best sellers atuais, para nos inteiramos do que estão escrevendo. Termos uma base do que são as exigências dos leitores. E, principalmente, ler alguns, a fim de estarmos ao par das suas técnicas, e o que há de interessante em suas histórias ao leitor atual. Assim trilharemos o caminho que nos conduzirá ao nosso objetivo.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

VOCÊ ACHA QUE OS GRANDES INVENTORES DERAM MOLEZA?

Você acha que os grandes inventores deram moleza? E os escritores?

Imagine-se dias e noites trancafiado em um recinto sombrio e enfumaçado, a utilizar-se apenas de uma lâmpada de cêra, ou de querosene, com mil e uma ideias na cabeça, e tantas experiências a realizar. O que faria? Tenho a impressão de que sairíamos correndo, possuídos pelo desespero. Para descobrir a eletricidade e criar a lâmpada Edson certamente sofreu dores de cabeça, e terríveis noites de angústia. E o que dizer de um Cervantes a garatujar palavra por palavra do volumoso Dom Quixote sob a penumbra de uma infecciosa cela de prisão? Dá até para vê-lo a molhar pacientemente a pena no tinteiro milhões de vezes, incansavelmente. Contudo, não desistiu, e a obra saiu perfeita. Conquistou o mundo, e atravessou séculos. Estes heróis do passado possuiam dentro de si uma força quase sobrehumana: A Obstinação.
É aconselhavel desistir de uma história, ou de um projeto que seja? Talvez. Se acharmos que a história é ruim, ou que não agradará ao nosso público. Mas, nunca pelo pressentimento de não sermos capazes de concluí-la. Mesmo que se trate de uma história ruim, poderemos modificá-la. Se o nosso objetivo é escrever um livro apreciado por multidões, nunca devemos desistir no meio dele. É possível que na primeira tentativa nunca se chegue lá. Isto está mais do que provado. Porém, se tivermos êxito em pelo menos terminá-la, podemos nos considerar vitoriosos. Aos ouvintes é extremamente desagradável ter uma história interrompida. Há sempre alguém que queira ouvir até o fim. Mesmo que seja somente para agradá-lo. Mas, a alegria de tê-la concluido, e a satisfação demonstrada pelo ouvinte, ou que seja pelo leitor, é de valor inestimável. Os cientistas tinham a certeza de que as suas descobertas haveriam de satisfazer milhões de criaturas em todo o planeta. Por isso mantiveram acesas as chamas em seus corações. Autores dos inúmeros clássicos e best sellers mundiais certamente não conseguiram isto nos seus primeiros rudimentos, mas, depois de muito esforço e obstinação. Estas três qualidades: Imaginação, instrução e obstinação, são escenciais a qualquer um que se disponha a escrever um bom livro. Porém, para se atingir o nosso objetivo, ou seja, o de fascinar milhões de pessoas com as nossas histórias, ainda precisamos de muito mais. E é o que iremos aprendendo daqui para a frente. O importante é nunca desistir, mesmo que levemos a vida inteira, ou nunca consigamos, mas nunca nos culparemos de não haver tentado.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

É DIFÍCIL ESCREVER?

É difícil escrever?


Por que a maioria das pessoas encontra dificuldade em colocar as suas ideias no papel?
Suponho que, neste caso, o que lhes falta é instrução. O que é instrução? É uma certa dose de conhecimentos que se acumula através da leitura, da convivência, de pesquisas, dos meios de comunicação, das artes, internet, viagens. Enfim, tudo o que nos envolve de uma forma ou de outra, pode nos ensinar alguma coisa. No entanto, tenho a opinião de que a melhor maneira de se adquirir conhecimento seja ainda por meio da leitura, isto é, do relacionamento íntimo com os livros. Como se pode escrever um livro sem que ao menos se tenha intimidade com eles? O conhecimento é essencial para aquele que escreve. Em primeiro lugar manter o domínio da língua. Não digo exatamente se ater de forma crucial às intermináveis regras gramaticais, tendo-as a todo o instante na ponta da língua. Mas, saber transmitir através de palavras adequadas e frases bem elaboradas e claras aquilo que se quer levar ao leitor. Para se criar uma boa história é necessário que se conheça a fundo vários aspectos interessantes com relação ao local em que a mesma se transcorre. Como usos e costumes, tipos de paisagens, clima, e principalmente com relação aos personagens. Trajes típicos, alimentação, expressões da língua, e assim por diante. Deve-se ter em mente com especialidade os pontos principais em que se baseiam o comportamento das pessoas envolvidas. Tipos de personalidades, e a maneira de agir de cada um. Outra coisa também a se observar é a época em que se trancorrem os fatos. Pois, tudo se modifica com o tempo. Por exemplo, no século dezenove, ou na época de Jesus Cristo, com certeza não havia o grande avanço tecnológico de hoje. Os meios de transporte e comunicação, tanto como os usos e costumes eram bem diferentes dos atuais.
Portanto, o que sugiro aos aspirantes como eu é uma boa dose de leitura, e treinamento. É como qualquer outra atividade. Se não nos exercitarmos nunca chegaremos à perfeição. As viagens, como já foi dito, também nos ajudam em grande parte na composição da história. Conhecer os lugares por onde transitarão os nossos personagens é de um valor considerável. Mas, se não temos condições de viajar, o melhor seria apelarmosd para a Internet. Pesquisas bem orientadas dão ao nosso conhecimento uma excelente grandeza.
Escrever é difícil. Então, além da imaginação e do conhecimento, ainda precisamos de obstinação, isto é, teimosia, persistência.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

O QUE É UMA HISTÓRIA?

O que é uma história?


Alguém póde me ajudar a definir o que é uma história, e como imaginá-la? Suponho que uma história é algo que se conta, seja ela verdadeira ou não, longa ou curta, bonita, feia, alegre ou triste. Trata-se da narrativa de um fato, ou de uma sequência de fatos. E tal história para ser agradável ao ouvinte, ou ao leitor, depende em grande parte da experiência do narrador. O qual deve possuir as qualidades necessárias, que de uma forma ou de outra, chame a atenção e despertem o interêsse. Geralmente as histórias que se contam em romances são imaginadas. Isto é, inventadas. Então quer dizer que todos os romances que lemos são inventados? Não. Na verdade há histórias reais. Mas, pode se modificar a maneira de contá-las de modo que mesmo sendo uma história triste torna-se agradável ao leitor. Contudo, as melhores histórias se baseiam em fatos reais, o que as torna interessantes é nada mais nada menos que a imaginação do autor. Como o pintor profissional que se usa das variações e tonalidades que compõem a luz, a sombra, e a combinação das cores, o contador de histórias deve se manter atento à todas as variações quanto aos cenários, ao tempo, e principalmente ao comportamento dos personagens.
O autor deve ser imaginativo. Isto é, criar imagens, conceber a história por meio da imaginação. Este é o estágio inicial de um livro. Fazer com que a história surja aparentemente do nada, que ela exista, e possa ser sentida antes de contada. Como se deve imaginar uma história? No caminho para o trabalho, na mesa de um bar, debaixo do chuveiro. Todos esses lugares são propícios, e em milhares de outros. A inspiração não aparece só quando nos assentamos na ferente do computador e nos dispomos a fumar um cigarro atrás do outro, e a consumirmos toneladas de xícaras de café. A inspiração vem quando menos se espera, e é preciso estar atento. Há momentos que surge com tanta clareza que até nos surpreende. Por isso é que muitos dizem que os escritores vivem no mundo da lua. O problema é que não podemos permitir que escape. Isto acontece tanto na poesia quanto na prosa. As cenas aparecem como relâmpagos, e é necessário que sejam gravadas na memória, quando não escritas imediatamente.
O escritor tende a ser um observador nato. E muitas vezes se aproveita de fatos corriqueiros, daquilo que acontece à sua volta. Principalmente quem escreve contos ou crônicas. Mas, não quer dizer que não sirva também ao romancista. O qual se concentra maiormente no comportamento das pessoas. Dando assim vida aos seus personagens, na inúmera sequência de cenas e fatos que irão compor a sua história. Porém, os autores não vivem só de imaginação. E é necessário também que possuam instrução. Isto é, conhecimento, e muito conhecimento.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

COMO ESCREVER UM BEST SELLER?

Este é o meu sonho, não nego. Cada indivíduo tem as suas fantasias, que podem se tornar realidade ou não. Esta é a minha, e creio que não é nada demais. Se bem trabalhada, isto é, com esforço e planejamento, a mesma pode se tornar real. No entanto tenho a plena convicção de que não é nada fácil. E quem conseguiu isto vai nos dizer também que trata-se de uma longa e árdua batalha. Prá não dizer uma guerra. Escrever um bom livro talvez não seja lá tão difícil. Embora, não pretendo dizer que todo o bom livro possa agradar a milhares de leitores, e se tornar um best seller. Mas, o que é então um best seller? Para mim é aquele que se encontra no topo da lista dos mais vendidos. Mas, isto não significa que seja bom. Pode ser um livro agradável a milhões de leitores. E além disso que tenha uma certa identificação com eles. Seja no tocante à história, aos personagens ou ao cenário. E todos sabemos que alcançar este ponto não é como o simples ato de vencer uma corrida, ou ser um bom jogador. É preciso muito mais. E então, como eu ia dizendo, que este é o meu sonho, e até agora não foi possível realizá-lo, e sei que há um grande número de sonhadores como eu, em busca do mesmo objetivo, venho propor aos interessados ajuda mútua. Uma prática que pode dar certo tanto para quem busca conhecimento, como para quem deseja expor as suas experiências sobre o assunto. Será bastante válido, eu creio, e tenho certeza que se unirmos e compartilharmos os nossos interesses e aquilo que sabemos, nos aperfeiçoaremos, valorizando-nos dia após dia até alcançarmos os nossos objetivos. Portanto, se alguém deseja participar estou abrindo este blog para tal finalidade. Basta entrar como seguidor, e postar os seus textos, os quais deverão se relacionar simplesmente à Literatura e à Arte de Escrever. Serão bem vindos todos os que se dispuserem a nos apoiar.   
ESCRITOR  Ivo Stainiclerks
AUTOR DOS LIVROS: 
Pedras no Caminho, 
Chico Xarope, 
O Poder da Fera, 
A Maldição. 
                                                                                                                                                      

DO QUE SE TRATA ESTE BLOG

Aqui trataremos simplesmente de Literatura. De como criar livros que tenham o poder de agradar a milhões de leitores, e, consequentemente se colocarem no topo da lista dos mais vendidos. É um projeto extremamente ambicioso? Na verdade é ambicioso, mas, não considerado fora do alcance.